Pular para o conteúdo

Amanda Costa

Nações Unidas diz que pandemia de HIV/Aids pode acabar em 2030

Ex.Saúde, Presidente, Governo

O relatório do programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/ Aids aponta que a pandemia da doença pode acabar em 2030. A meta faz parte dos objetivos de desenvolvimento sustentável e busca zerar as novas infecções por HIV, zerar a discriminação e gerar as mortes relacionadas a Aids.
Beatriz Madelene é uma mulher trans que atua como profissional do sexo há 18 anos. Hoje ela também trabalha com redução de danos, ou seja, orienta outras pessoas a prevenir a contaminação pelo vírus HIV. Mesmo com essa militância, ela mesma tem dificuldade de acessar aos medicamentos que previnem a Aids, conhecidos como PREP.
São justamente as mulheres trans o grupo com maior percentual de pessoas com o vírus HIV, de acordo com o relatório da UNAIDS. Enquanto 0,7% da população global estava com Aids em 2022, o percentual era de 10,3% entre as pessoas trans.
A boa notícia é que houve uma redução global de novas infecções pelo vírus HIV. De 1995 para 2022, a queda foi de 59%. A Isa Aparecida que é profissional do sexo há 20 anos, viu os avanços das políticas de prevenção do HIV/ Aids.
A principal mensagem do relatório é que o caminho para acabar com a Aids é claro. Fortalecer as organizações da sociedade civil que combtem a doença, garantir financiamento para as políticas públicas da área e enfrentar as desigualdades do acesso à essas políticas. Um exemplo disso é o trabalho da Organização Tulipas do Cerrado que ajuda pessoas vulnerabilizadas a acessar as ferramentas de prevenção da doença, como destaca a coordenadora geral da ONG, Juma Santos.
Ainda segundo o relatório, o financiamento para combater o HIV também diminuiu em 2022, os recursos totalizaram menos de U$ 21 bilhões, muito aquém dos mais de U$ 29 bilhões necessários até 2025.
Edição: Sheily Noleto / Alessandra Esteves

O dado é do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta quinta-feira (20). O número é o menor desde 2011, quando começou a série histórica do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

A intenção é concentrar o atendimento às pessoas no complexo de saúde Prates, qualificando a assistência dada aos usuários de drogas.

As propostas apresentadas vieram a partir do convite a 40 associações do setor privado, que enviaram 120 propostas para o governo, das quais 17 foram selecionadas para receberem prioridade.

Além do português, as línguas oficiais do Amazonas passam a ser: Apurinã, Baniwa, Dessana, Kanamari, Marubo, Matis, Matses, Mawe, Mura, Nheengatu, Tariana, Tikuna, Tukano, Waiwai, Waimiri e Yanomami.

O Periferia Viva vai premiar 54 projetos protagonizados e implantados por coletivos que atuam nas comunidades periféricas brasileiras. As melhores iniciativas receberão o valor de R$ 50 mil.

A preferência no atendimento ficou assim: primeiro, pessoas com deficiência, autistas, idosos a partir dos 60 anos, gestantes, lactantes, pessoas com criança de colo, obesos, pessoas com mobilidade reduzida e, por último, os doadores de sangue.
Conheça nossos aplicativos nas lojas online da iTunes e Google

source

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
SOBRE MIM
Amanda Costa
Natural do Ceará com 40+ apaixonada pelo Rio de Janeiro e carioca de coração. Defensora de causas sociais e políticas de grande relevância para o nosso Brasil.
#vamosquerer um futuro melhor.
siga amanda costa nas redes sociais
LUTA PELA DEMOCRACIA EM SP